sexta-feira, 23 de outubro de 2015

VIDA!


Que pena que não saiu tudo como planejei, que bom que não saiu tudo como planejei!
Nem nos meus mais insanos sonhos pensei que tudo seria desse jeito, tão intenso, tão doloroso, tão dramático e tão alegre.
Pessoas passaram, lugares passaram, amores passaram, mas a experiência e o aprendizado do que se ficou isso ninguém me tira.
As vezes me sinto já tão mulher e as vezes corro feito uma criança assustada.
Me escondo, me acho.
Me encontro, me perco.
E acima de tudo me surpreendo com a minha capacidade de reinventar, de cair e de levantar, de me machucar e ficar com cicatrizes.
Estou com fome de tudo: de amor, de carinho, de risadas de doer a barriga, de amigos, de sonhos, de viagens, do desconhecido.
É tão louco saber que há tanta vida lá fora e que existe tanto a ser vivido.
Que surpresas será a vida ainda me revela?
Seja qual for eu não vou me esconder dela... seja como uma mulher destemida ou como uma criança curiosa.
Que venha esse espiral louco de sensações....
Estou de volta ao mundo das letras.....
Antes só, do que mal acompanhada. É o ditado popular mais batido do mundo nunca me fez tanto sentido.
É isso,era isso o tempo todo. Aguentar um monte por causa de amor, remar sozinha, fazer de tudo pra dar certo, tudo muito bonito, mas nada prático e, no fim das contas, quase nunca vale a pena. 
Faria sim tudo de novo, mas só porque preciso esgotar todas as possibilidades pra não surtar, não porque eu acho que poderia dar certo de alguma outra forma. 
E, por hoje, só peço que Deus me livre de qualquer amor ou quase isso e que, mais tarde, Ele me perdoe pelo meu pedido desesperado e cansado de livramento, depois de tempos tão difíceis e tudo bagunçado por dentro. 
Acontece que, depois do amor, não dá pra seguir em frente sem férias. Então declaro, oficialmente, meu período de recesso emocional. Longo, eu espero. Pra respirar, me recompor, experimentar. Pra me amar e fazer de tudo por mim, pra variar essa história. Um pouco de mim pro mundo, muito do mundo pra mim e let it be.

É que eu já não tenho forças pra iniciar novas histórias, entende? Só não consigo... Me dá calafrios toda vez que penso em me apaixonar e talvez essas mulheres malucas de filme, que não deixam passar do quinto encontro pra não criar nenhum tipo de vínculo, sejam só espertas demais. É, hoje não acho má ideia, muito pelo contrário. Tô esperta ou louca também. Provavelmente os dois.

Te amei por mil anos



O dia que nos conhecemos
Congelada, eu segurei minha respiração
Desde o início
Eu sabia que encontrei uma casa para o meu coração
Batidas rápidas, cores e promessas
Como ser corajosa?
Como posso amar quando eu estou com medo de cair?
Mas vendo você ficar sozinho
Todas minhas dúvidas, de repente se vão de alguma forma

Um passo mais perto

Morri espera todos os dias para você
Querida, não tenha medo
Eu te amei por mil anos
Eu vou te amar por mais mil

O tempo para
Beleza em tudo o que ela é
Eu vou ser corajoso
Eu não vou deixar nada tirar
O que está em pé na minha frente
Cada respiração cada hora acabou nisto aqui


Um passo mais perto

Morri espera todos os dias para você
Querida, não tenha medo eu vos amei
Por milhares de anos
Eu vou te amar por mais mil

E o tempo todo eu acreditei que eu iria encontrá-lo
Tempo trouxe seu coração para mim
Eu te amei por mil anos
Eu vou te amar por mais mil

Eu vou te amar por mais mil

Um passo mais perto

Morri espera todos os dias para você
Querida, não tenha medo eu vos amei
Por milhares de anos
Eu vou te amar por mais mil

E o tempo todo eu acreditei que eu iria encontrá-lo
Tempo trouxe seu coração para mim
Eu te amei por mil anos
Eu vou te amar por mais mil...

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Duelo em lençóis

Esqueci o calor a dois, o sabor de um beijo, a cumplicidade do abraço. Esqueci de ter, de ser, de sentir... Esqueci!
Esqueci a emoção de ser plural nos planos e sonhos conjugados a dois.
Esqueci o bendito arder da paixão, a sensação de se chegar ao céu, feito caça, ou caçador duelando em meio aos lençóis.
Acostumei a me abraçar só, a me bastar, a mergulhar no fundo de mim mesma, feito acenos de alheios milagres.
Triste sina essa de brincar de amor sozinha..

Amadurecer...


Amadurecer e ver um mundo de possibilidades à sua frente. É perceber que eh possível sim, fazer tudo aquilo que você sempre sonhou e que parecia tão surreal. É notar que o mundo está na sua cara e você pode conhecê-lo inteiro. É ver seus objetivos mudarem. É mudar de idéia. É colocar em prática. É sentir sua mente se abrir muito mais, em todos os momentos. É se ver aberto para a vida. É não ter medo de arriscar. É aceitar desafios constantes. É se sentir na Terra do Nunca e não querer voltar. É pensar em voltar e não conseguir se imaginar no mesmo lugar.  se surpreender consigo mesmo. se descobrir e notar que, na verdade, você não conhecia a fundo algo que sempre achou que conhecia muito bem: Você mesmo.”

"SAUDADES"

"SAUDADES"
Nem sempre as palavras que dizemos ou os gestos que praticamos representam aquilo que sentimos.